24 julho 2008

Photobucket

Carla Salgueiro

Disseram-lhe que era um sítio bonito, onde muitos reis, príncipes e princesas se tinham jurado eternamente. Não acredita nesse eterno, mas sorri perante a possibilidade e não, não o recusa apesar de não acreditar. Está ansiosa, quer ver esse sítio bonito, gosta deles assim cheios de estórias e história, vozes e sons do passado.

Entra, rodeada por muitos, e é logo arrebatada. Todos desaparecem e permanece apenas o silêncio. Fecha os olhos, inspira profundamente e deixa-se impregnar pelo espírito do tempo. Surgem os primeiros sons, pelas mãos daquele de cabelo desalinhado. Ela abre os olhos, ele fecha-os. Enquanto percorre o braço do violoncelo com os seus dedos, parece desaparecer, deixando apenas ficar aquele som puro a ecoar.

As mãos continuam, sempre na corda certa, no ritmo perfeito. São mãos viciantes.

Serão sempre assim?

Conhecerão tão bem os corpos como conhecem aquelas cordas?

De olhos fechados?

10 comentários:

Rui disse...

poético, lindo... ;-)
com meia dúzia de linhas consegues fazer uma pessoa "viajar" até lá...
que dom! :-)

Ti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ti disse...

Quero lá ir! levas-me? :)

Ana disse...

rui: :)

ti: claro! era mesmo preciso perguntar? ;)*

JFDourado disse...

e no entanto aquele morcego...

:D

Ana disse...

o morcego apareceu no momento certo, mais perfeito não podia ser;) *

Ti disse...

Obrigada! :*

Berta disse...

:)
e eu vou voltar lá
beijos

Ana disse...

sortuda ;) *

Berta disse...

amazing ;)