27 fevereiro 2008

«Simoso» *





















Com as
palavras na boca - Jorge Palha




afasia
do Gr. aphasîa, «impotência para falar»

perda total ou parcial da função da palavra, quer da função de expressão verbal (forma de apraxia), quer da função da compreensão (forma de agnosia), da linguagem falada (surdez verbal) ou escrita (cegueira verbal).



Nesse período, já o disse, as palavras que me chegavam vinham cegas.

in De Profundis, Valsa Lenta - José Cardoso Pires



Palavras. Se o dia fosse outro seriam outras. Se o estado de espírito fosse outro, outras seriam...





E eu, no meio de tanto riso, descobri (sem espanto, sem assombro, custa a crer) que acabara de me libertar duma doença mais que maldita, duma cegueira ou dum apagamento por onde andara sem norte sem dias e que numa viragem sem aviso pessoas e luz, palavras e matéria, tudo tinha voltado à realidade. Existência palpável, o mundo deixara de ser anónimo.

in De Profundis, Valsa Lenta - José Cardoso Pires


* “Sei, agora, que uma nave espacial o tinha entretanto transportado para outra galáxia (...) onde palavras como óculos, relógio, cama, não tinham préstimo ou sentido, e onde, para designar todos os objectos conhecidos, e os mais que havia ainda por inventar, se aplicava o neologismo extraordinariamente eufónico que V. criara: «simoso».”

excerto da
Carta a um Amigo-Novo (espécie de prefácio de João Lobo Antunes ao livro “De Profundis, Valsa Lenta” de José Cardoso Pires)


[nas palavras estão escondidos possíveis destinatários... agarre quem quiser, inclusive aqueles a quem não se destinou:)]

11 comentários:

Rui disse...

É uma grande responsabilidade... a que me passaste!!! ;-P
Mas vou tentar estar à altura!
Mais um post surpreendente!

Gustavo disse...

:-)

nils disse...

Agradeço grandemente o convite que, obviamente, não posso recusar. Já tenho o texto em rascunho. Aproveito para lhe dizer que gosto muito desta sua página e que me honra tenha um atalho para a minha. Tudo de bom!

Francisco Curate disse...

Obrigado pelo desafio, que aceito sem pestanejar ;)

Happy and Bleeding disse...

ia jurar que tinha escrito aqui qualquer coisa ontem :)

(foi-se, como uma sombra)

teresa disse...

lindona!!!!
como sp presenteias-nos com uma panóplia de palavras cheias de significado e que só tu tens a delicadeza de as escolheres de uma forma tão harmoniosa.....isto porque nem todas as pessoas lêem as "palavras" da mesma forma.... mas a tua é como sp uma forma aliciante!!!
E a AFasia posso-te dizer que é talvez um dos maiores desafios da minha profissão...transpor a barreira das palavras faladas, ir muito mais além( ou talvez não...ir apenas ao mais rudimentar ) para "apenas" conseguirmos perceber o tenho sede, frio, calor, medo..... Pode transformar-se muitas vezes num processo frustante...mas qdo se consegue estes pequenos "nadas" as "palavras" ganham outra dimensão..
beijos

Ana disse...

Rui: vais fazer um brilharete:) é só acreditar;)

Gustavo volta sempre, bom "ver-te" aqui... muito bom:)

Nils:agradeço eu e espero ansiosa pelo teu texto! Se for tão belo e profundo como os que tens lá pelo teu sítio... Belíssimo!

Francisco: foi mesmo sem pestanejar;) Uma delícia.

Happy: as palavras andam a fugir-te?! uhm... não me parece;)*

Teresa: nunca mais me lembrei que trabalhavas com doentes nessa área... já leste o livro do Cardoso Pires?! se não leste tens de ler, tenho a certeza que vais adorar:)*

angela disse...

gosto de ser sorriso
:)

Claudia Sousa Dias disse...

Então aqui vai:

A Alba Mão

raga o céu da Úmbria

enquanto a ternura de um sorriso se espelha

no mar profundo da alma

a deambular pelo sonho

enquanto o pestanejar eternecido

sacode o sono do pensamento...


e pronto, está feito!


bjo grande


CSD

Claudia Sousa Dias disse...

Este foi direitinho para o rendez-vous!


bjo grande


CSd

Ana disse...

Isso é que foi inspiração Cláudia! Ficou muito bem lá no rendez-vous:)

Angela: :)